Filmes de 2015

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

10 Considerações sobre Stephen King

Stephen King, laureado coma medalha de Eminente contribuição ás Letras Americanas da National Book Foundation, nomeado Grão-Mestre dos Escritores de Mistério dos Estados Unidos, e autor de mais de cinquenta best-sellers, é um dos mais prolíficos escritores contemporâneos. Habilidoso em criar cenários e personagens muito bem construídos, King, tem todo o respeito e consideração de nós leitores, como escritor, no entanto, o autor tem sido agraciado com o maior prêmio que o ser humano pode receber, o êxito em vencer a si próprio.




1- Aos 6 anos, Stephen King, escreveu sua primeira história de ficção, que falava sobre quatro animais mágicos que andavam por aí, em um carro velho, ajudando crianças. O líder era um grande coelho branco chamado Sr. Rabbit Trick, que também era o motorista.

2- O Livro; It- A Coisa, possui cenários referentes à infância de Stephen, em Stratford, em Connecticut, perto do mercado Tedd´s, havia um grande terreno vazio, tomado por densa vegetação, com um ferro-velho ao fundo e um trilho de trem passando no meio, a turma de It, chamava o local de Barrens.

3- Aos 16 anos, Stephen recebeu a primeira recusa oficial sobre um de seus trabalhos, a qual partiu de Algis Budrys, editor da revista Fantasy and Science Fiction. King tinha escrito A Noite do Tigre, isnpirado em um episódio de O Fugitivo, a série de tv americana. Budrys, escreveu a King: " Isso é bom. Não é para nós, mas é bom. Você tem talento. Mande mais.".

4- Completamente plagiado de Edgar Allan Poe, ao 13 anos, Stephen King, reproduziu A Mansão do Terror, da qual fez quarenta cópias com um mimiógrafo, comercializando-as na escola, de ensino fundamental de Durham, ao final do dia, Stephen possuía 9 dólares em moedas.

5- A ideia de escrever, Carrie, A Estranha, partiu de um trabalho que king realizou como zelador na Brunswick High, durante um verão. King, começou a analisar o vestiário feminino, quando notou, duas caixas de metal sem identificação na parede. Perguntou ao seu colega, Harris, o que havia nelas. Harry respondeu: " rolhas de xoxota", ironizando os absorventes femininos. King associou este fato à um artigo que lera na revista Life, sobre fenômenos poltergeists na adolêscencia, e, bingo, o enredo de Carrie, A Estranha, estava pronto.

6- O primeiro bullyng a Carrie Withe, partiu do próprio King, o autor nunca gostou da personagem, achava-a obtusa e passiva demais, uma vítima pronta. King escrevia algumas páginas da história, para logo, amassá-las e lançá-las no cesto de lixo.

7- Carrie Withe foi inspirada em duas garotas que frequentavam o ensino médio, em Lisbon Falls, na mesma época que Stephen. Sondra, como ele a chamava, morava em um trailer com a mãe, extremamente religiosa, não tinha amigos, sua voz era vacilante e irregular e tinha uma aparência pálida e flácida e um cabelo muito cacheado que emoldurava o rosto bochechudo e cheio de espinhas.
Dodie, como Stephen a chamava, usava por um ano inteiro, as mesmas roupas todos os dias, não era apenas ridicularizada, mas, odiada pelas garotas moderninhas de Lisbon Falls. Dodie, era um espectro sardento e vacilante que se esgueirava pelos corredores, com os olhos no chão e os livros colados ao peito.

8- O Livro, Os Estranhos, foi escrito por Stephen em meados de 1986, sob forte influência de álcool e drogas. Stephen, trabalhava até meia-noite, com o coração a 130 batimentos por minuto e cotonetes enfiados no nariz para estancar o sangramento causado pela cocaína. No livro, king faz uma analogia entre a barganha que os seres humanos fazem com alienígenas, entregando suas almas em troca de um tipo de inteligência artificial. Uma metáfora para o uso contínuo de drogas e álcool para produzir livros.

9- Stephen King, devido ao uso excessivo de álcool, não se lembra de ter escrito, Cujo, O Cão Raivoso, mas admite que gostou do resultado do trabalho.

10- O Livro, Misery, louca obsessão, que no original significa angústia, é um explícito pedido de socorro de Stephen. O Livro descreve como um escritor é mantido prisioneiro e torturado por uma enfermeira psicótica, o que revela com bastante precisão, o estado de espírito do autor na época.

                                                            By Stela Bagwell

Fonte: Sobre a Escrita, de Stephen King